Rock In Rio 2016: emoções fortes no segundo fim de semana da Cidade do Rock | Watch and Listen!

Rock In Rio 2016: emoções fortes no segundo fim de semana da Cidade do Rock


Nos passados dias 27, 28 e 29 de Maio o Parque da Bela Vista recebeu os três últimos dias da sétima edição do Rock In Rio. Esta edição celebrou os 30 anos de Rock In Rio e contou com ótimos concertos.

Destaque para o Palco Vodafone, o palco que elegemos como o melhor destes cinco dias do Rock In Rio Lisboa. Mais uma vez, houve música para todos os gostos. O bom tempo da semana anterior não se repetiu e ainda caiu alguma chuva durante estes três dias.

O nosso dia 27 começou mais uma vez no Palco Vodafone e com alguma chuva, ainda que tenha sido breve e só por alguns momentos. Os Cave Story foram a banda que abriu o nosso segundo fim de semana de Rock In Rio, com muita energia como sempre. Somos seguidoras da banda desde o início e já vimos inúmeras vezes a banda. Os Cave Story evoluíram muito e o concerto do Rock In Rio que julgámos que seria mais do mesmo, impressionou. A banda meteu todos os presentes a abanar a cabeça e os meus entusiastas até se atreveram a saltar. As canções mais conhecidas não faltaram, e no final de contas deram um bom concerto. Uma boa maneira de abrir o dia do rock da cidade do Rock.

Cave Story @ Rock in Rio Lisboa 2016

De seguida vieram os senhores da eletrizante "Heat", os Glockenwise. Por volta desta hora o palco Vodafone começava a ganhar compostura e os olhos mais curiosos aproximavam-se para ver o que ali se passava. Os Glockenwise são uma banda já com experiência e estatuto em terras lusas. Já têm uma quantidade de seguidores fieis e tal foi possível comprovar neste dia. A energia que a banda emana foi sentida por todos os presentes, e a banda portuguesa deu um dos melhores concertos deste dia. Claro que a o single "Heat" não faltou e houve até quem quisesse tentar começar o clássico mosh. O que é nacional é bom, e os Glockenwise são o perfeito exemplo disso.

The Glockenwise @ Rock in Rio Lisboa 2016

Eram já oito da noite quando os Metz começaram a tocar no Palco Vodafone e ouvia-se pelo público, logo de início, "como é que três betinhos que aparentam ser tão calmos, têm este poder todo?". Simples. São os Metz, os meninos bonitos do rock canadiano que animaram a noite que mais tarde se avizinharia difícil e desilusória. Foi pouco do rock cru e nu que se ouviu ao longo do festival na cidade do Rock e soube mais que bem. Em uma hora de concerto os Metz conseguiram encher o Palco Vodafone de fãs e curiosos que alinharam no grande mosh que durou o concerto todo, como a energia da banda prometia. Os Metz colocaram todos os presentes espantados com toda a energia e poder que emanam. Nós incluídas. A banda superou todas as expectativas e está de parabéns. Triunfaram numa noite repleta de música e tornaram-se o ponto mais alto deste dia, a seguir aos poucos e preciosos minutos de Korn. Fecharam o Palco Vodafone da melhor maneira possível e temos a certeza que poderiam ter ficado a tocar durante mais duas horas que ninguém se teria importado. Fantásticos, incríveis.


Metz @ Rock in Rio Lisboa 2016


O dia 28 avizinhava-se mais sortudo em termos de concertos, mas terrível em termos de meteorologia. Caiu chuva à fartazana mas nem isso pôs fim à festa que começou no Palco Vodafone. Os Mighty Sands abriram o nosso segundo dia deste segundo fim de semana de Rock In Rio, e foram um dos melhores Wild Cards escolhidos pela Vodafone que por ali passaram. Ainda que o palco estivesse um bocado vazio, a banda conseguiu incluir todos os presentes no seu mundo de tons psicadélicos. Os cinco integrantes para além de simpáticos, são bons músicos e interagem com o público nunca deixando o bom humor de lado. Isso é algo de valorizar em bandas, sejam elas novas ou velhas. A comunicação é essencial e os Mighty Sands sabem como geri-la num concerto. As canções que iam tocando deixaram todos com um sorriso na cara, e a família e amigos da banda estava claramente orgulhosa pelo sucesso dos entes queridos. Cremos que muitos dos que não conheciam saíram fãs. E não é de admirar. Foi o melhor concerto que vimos até à data da banda.

Mighty Sands @ Rock in Rio Lisboa 2016


A seguir aos Mighty Sands, os Capitão Fausto provocaram a maior enchente que vimos no Palco Vodafone durante os cinco dias de Rock In Rio. Um orgulho nacional sem dúvida. Os cinco jovens cresceram imenso desde o primeiro álbum. As letras amadureceram e já fazem sentido. As melodias são e sempre foram seguras de si mesmas e do que queriam ser. A banda é valorizada em excesso e não é à toa. Os Capitão Fausto são uma banda que tende a crescer e a ficar marcada na história da música nacional. E como eles merecem. O Palco Vodafone encheu-se até à última, de fãs que foram ali de propósito para ver a banda portuguesa. Por sorte, não choveu durante o concerto dos jovens, o que ajudou à festa. As pessoas sabem as letras, conhecem o repertório dos jovens. Até os mais novos conhecem e são fãs. Os Capitão Fausto começam a ser uma banda que é para todas as idades. Mais um concerto de luxo que vimos desta banda, que tende a evoluir cada vez mais. A banda estava feliz e o público também. Êxitos como "Sobremesa", "Maneiras Más" e "Amanhã Estou Melhor" foram cantados e celebrados, e até lugar para mosh houve. Não existem palavras suficientes para descrever o concerto que foi ali vivido. Como já dizia Fernando Mato Grosso, "quem disse que o céu era o limite, não tinha imaginação, nem conhecia o universo", e parece-nos a nós que é o caso desta banda. Uma mão cheia de elogios para esta banda ainda parece pouco. Estão de parabéns, deram um dos melhores concertos do Palco Vodafone e do Rock In Rio inteiro.

Capitão Fausto @ Rock in Rio Lisboa 2016

De seguida vieram os cabeças de cartaz do Palco Vodafone: os Real Estate. Para infelicidade da banda, o tempo decidiu que não era hora de colaborar e choveu a potes durante quase todo o concerto. Ainda assim os verdadeiros fãs mantiveram-se fiéis à banda e permaneceram debaixo das árvores a dançar e a aproveitar o belo concerto que a banda deu. Houve até mesmo um grupo razoável de pessoas em frente ao palco, e muitos que estavam totalmente descobertos apanhando a molha das suas vidas enquanto viam Real Estate. O quanto valeu a pena. A chuva não demoveu ninguém de ver a magia que a banda fez acontecer e a banda pareceu tocada com esse facto, já que agradeceram várias vezes a quem tinha permanecido a ver o concerto ainda que debaixo da chuva. Foi talvez o momento mais bonito que se assistiu no Palco Vodafone. Ficar debaixo de chuva não querendo saber de mais nada, só de ver a tal banda é uma das maiores declarações de amor que uma banda pode pedir. Os Real Estate tiveram direito a isso e ainda a que as suas canções fossem recitadas pelos fãs que saltavam à chuva de alegria por ouvir ali as canções que provocavam a felicidade que se observava. Foi um grande concerto e a banda mostrou-se grata pela atitude do público, e não seria para menos. Com ou sem chuva aconteceu o que esperávamos: os Real Estate triunfaram fechado assim o Palco Vodafone em beleza.

Real Estate @ Rock in Rio Lisboa 2016


A chuva teimava em permanecer na nossa companhia, ainda que mais fraca, mas nem assim Ivete Sangalo deixou de proporcionar a habitual festa que está presente todos os anos no Rock In Rio. É cliché dizer que a poeira foi levantada, mas nada descreve melhor um concerto de Ivete Sangalo. Um cromo repetido todos os anos pelo Rock In Rio, mas que torna-se compreensível o porquê da repetição quando se vê a baiana em palco. A idade parece não pesar na cantora, já que ela aparenta toda aquela energia e ar rejuvenescedor que mete inveja a qualquer um. A Ivete Sangalo é fantástica e consegue sempre unir todo o público do Rock In Rio. Não é necessário ser-se um fã fiel da cantora para se conhecer os êxitos ou saber-se a letra. Um orgulho do Brasil, Ivete Sangalo deixou algumas palavras de força a todos os brasileiros devido à situação frágil que se vive no país neste preciso momento. Cantou ainda os parabéns a si mesma provocando uma onda de felicidade e emoção que arrepiou. O Parque da Bela Vista recebeu mais pessoas neste dia, e todos os presentes quiseram participar na festa em frente ao Palco Mundo provocada por Ivete Sangalo. Uma onda de pessoas que dançou, cantou todos os êxitos que foram tocados e até tentou sambar como a baiana durante uma hora e alguns minutos. Incrível como a repetição não induz a uma falta de entusiasmo mas muito pelo contrário. A cantora é admirada e as pessoas gostam dela e apreciam na realidade esta repetição. Um espetáculo belo e admirável.

O nosso quarto dia de Rock In Rio terminou com os tão aguardados e incansáveis, Maroon 5. A banda era o motivo pelo qual o Rock In Rio estava tão cheio neste dia. Os Maroon 5 deram um concerto impecável que foi composto pelos maiores êxitos da carreira da banda pop americana. No entanto, o público deixou algo a desejar. A banda tocou as canções mais conhecidas com o intuito de meter o Parque da Bela Vista a cantor uníssono durante todo o concerto, já que supostamente os presentes eram fãs da banda. Tal não se comprovou. O público estava algo morto, e só deu sinais de vida passadas algumas músicas. Felizmente fê-lo a tempo e a festa ainda foi grande. Adam Levine parece não ver a idade passar por si, e anda de um lado para o outro durante todo o concerto espalhando magia e charme. Os Maroon 5 espantaram a chuva para a felicidade de todos e deram um concerto enérgico e alegre ao som do seu pop comercial que passa incansavelmente na rádio sem nunca cansar. "Sugar", "She Will Be Loved" e "Payphone" foram alguns dos muitos êxitos que foram entoados em uníssono e meteram o Parque da Bela Vista aos saltos e que provocaram sorrisos e felicidade. Foi um dia feliz no Rock In Rio, o único totalmente feliz e sem falhas deste segundo fim de semana.

Chegou por fim o dia 29, o último dia desta edição do Rock In Rio e com uma grande perda no cartaz: Ariana Grande tinha cancelado o seu concerto na madrugada desse dia devido a problemas de saúde. A substituta de última hora seria a incansável Ivete Sangalo. Este cancelamento obrigou a organização a fazer a devolução de alguns bilhetes de fãs desiludidos, mas ainda assim o Parque da Bela Vista recebeu muitas pessoas. A chuva já tinha ido embora, e o calor sorria para este último dia de Rock In Rio.

Mas antes disso logo às três e pouco da tarde, para entrar em grande na tarde de Domingo, Isaura abriu o Palco Vodafone dando o melhor concerto destes Wild Cards escolhidos pela Vodafone. A Isaura foi o novo talento de abertura ao Palco Vodafone que mais público chamou e também a que melhor desempenho teve. Isaura tem apenas um EP e isso basta-lhe para já ter uma base de fãs fieis. É admirável, e acreditamos que esta ascensão que começou do melhor modo está longe de acabar. Assistimos ao crescimento da cantora e é com orgulho que dizemos que está cada vez melhor. Foi o melhor concerto que já assistimos da cantora e a enchente que provocou no Palco Vodafone pode comprovar. As pessoas cantaram em uníssono e dançaram mostrando já conhecer bem o projeto da jovem cantora. Isaura é um fenómeno que tende a crescer cada vez mais e a cantora mostrou-se bastante grata a todos os que se deslocaram de propósito ao Palco Vodafone para vê-la e arrancar este último dia da cidade do Rock em grande. Deixou tudo e todos rendidos ao som de hits como "Useless" ou "Change it". Está de parabéns.

Isaura @ Rock in Rio Lisboa 2016


De seguida veio B Fachada, e com ele os problemas técnicos. O músico é um subtil crítico e não tem medo de não largar palavras doces para ninguém nem nada. Portugal carece de pessoas que digam o que sintam. Pessoas como o B Fachada. O músico deu um concerto que retrata mais do que sempre faz: um concerto relaxante e cheio de piadas e críticas subtis pelo meio. Lá para meio do concerto, a energia decidiu abandonar o Palco Vodafone deixando o músico desamparado. No entanto, o músico respondeu a isto criticamente e teve uma atitude de honrar: continuou a atuar, nada o conseguiu intimidar e mais para a frente a energia voltou. Sozinho, sem qualquer acompanhamento, o músico brilhou e deu um concerto digno em que foram tocados os seus êxitos conhecidos tais como "Quem quer fumar com o B Fachada". Mostrou-se totalmente sincero acerca do que pretendia transmitir, sem medo. Um bem haja.

B Fachada @ Rock in Rio Lisboa 2016

A nossa sétima edição do Rock In Rio encerrou-se com as madrilenhas Hinds. As Hinds são outra das bandas que acompanhamos desde o início. O crescimento gradual e a ascensão pela qual estão a passar é algo que acompanhámos com todo o orgulho. Quando as ouvimos pela primeira vez ainda eram uma banda acabada de "sair da garagem". Sem nome, sem identidade fixa. Tocavam em sítios pequenos e escondidos e poucos as conheciam. Passaram já dois anos desde que estiveram no Mexefest de 2014, e o crescimento é visível. De palcos pequenos, começaram a tocar para o mundo e foram ao Rock In Rio com o estatuto de cabeças de cartaz deste Palco Vodafone. Um honra para a banda e um orgulho para os fãs que as acompanham desde sempre. O Palco Vodafone estava bem composto para receber as quatro miúdas do indie rock vindo diretamente de Madrid e a festa foi enorme. As pessoas cantaram em uníssono, houve mosh em fartura e até crowdsurfing. A banda estava totalmente rendida ao público e vice versa. É uma relação de amor confessado e que quebra fronteiras. Fãs ferranhas da banda levaram ainda cartazes a pedir que tocassem a "Solar Gap", ao qual a banda respondeu com todo o carinho concretizando o desejo e ainda dedicando a canção às fãs. Um momento inesquecível e que demonstra esse amor vivido entre os fãs portugueses as Hinds. Falaram em espanhol com o público e tocaram êxitos como "Bamboo", Trippy Gum" e "Davey Crockett". Não havia melhor modo de encerrar o Rock In Rio, nesta edição que teve pontos fraquíssimos mas também pontos bastante altos. As Hinds foram sem dúvida, um dos pontos altos. O Rock In Rio estará de volta a Parque da Bela Vista em 2018.

Hinds @ Rock in Rio Lisboa 2016

Texto: Alexzandra Souza
Fotografias: Iris Cabaça

0 comments:

Enviar um comentário