Deepak Looper de Papillon: a metamorfose de uma vida | Watch and Listen!

Deepak Looper de Papillon: a metamorfose de uma vida


O álbum de estreia de Papillon, Deepak Looper, saiu no dia 21 de março. Composto por 13 músicas e colaborações de luxo é o primeiro capítulo do livro de Rui Pereira a solo, que apenas começou agora mas deixa as pessoas ansiosas por mais da saga da metamorfose. 

Para quem não conhece Papillon vem de Algueirão-Mem Martins e é um músico da banda de hip-hop os GROGnation que, no ano passado, editaram o seu álbum de estreia Nada É Por Acaso. 2018 foi a vez de se lançar a solo. 

Em relação a Deepak Looper, a produção do disco ficou encarregue a Slow J na maioria dos temas. A primeira vez que colaboraram foi em "Pagar As Contas" com GSON também, que faz parte do longa-duração de estreia de João Coelho apelidado The Art of Slowing Down. Slow J sempre acreditou no talento de Papillon, por isso, agora foi a vez de ajudar na produção de Deepak Looper. Lhast, Holly, Plutónio e FreshBeats contribuíram, igualmente, na produção das restantes músicas. Cada uma destas colaborações traz uma parte especial a todas as canções, o que enriquece ainda mais o álbum. 

Há uma surpresa fantástica e Papillon revela-se um compositor e contador de histórias excelente. Pois, as suas letras estão carregadas de emoções sobre várias fases da vida do artista. Estes momentos foram escritos através da sua perspetiva, obviamente, mas são identificáveis com pessoas diferentes principalmente as mais novas. Como o próprio diz no tema introdutório que tem o mesmo nome do LP, "Deepak Looper", este é um espaço com "Apenas alunos e histórias para contar". O álbum cumpre exatamente com essa frase porque só existem alunos aqui para partilharem experiências pessoais. 

Como o narrador que é, o músico fala sobre temas pesados nas canções e despeja todo o seu ser. Aborda relações, amor, desamor, família e dinheiro. Em "Imediatamente" diz que não podemos viver a vida demasiado rápido senão morremos cedo (Prego a fundo/ Vivo rápido/ Morro imediatamente). "Imagina" fala sobre o amor que nunca sentiu na sua vida. "I'm The Money", ao contrário de muitos artistas de hip-hop, afirma que o dinheiro não traz felicidade e é "força motriz". Já em "Iminente" escreveu sobre morte e que deseja paz "p'ros falecidos lá". A canção "Imito" termina com um discurso acerca de discriminação, cujas palavras foram ditas por Kanye West numa entrevista com Zane Lowe. Nestas letras poderosas fica-se a saber quem é Rui Pereira, o que lhe aconteceu e o que ele deseja futuramente. É o seu cartão de identificação no mundo da música nacional.

Quanto ao estilo musical de Deepak Looper, não dá para definir em apenas um porque mistura vários. O single de lançamento "Impasse" vai para o lado do rock, "I'm The Money" para o hip-hop e "Iminente" para música africana. Assim, é um trabalho complexo em termos líricos, de ritmos e não fica definido numa caixa. Pois, fica em muitas diferentes. 

Deepak Looper é o primeiro disco a solo de Papillon que chegou na altura ideal para o próprio e para a música portuguesa. É muito mais e melhor do que se esperava. Ao longo das músicas, ouve-se e sente-se a metamorfose do artista através das histórias contadas. Desta forma, nasceu um dos próximos grandes nomes para se prestar atenção nos próximos tempos.

0 comments:

Enviar um comentário