Red Bull Music Culture Clash 2018: mais uma vitória para a música nacional | Watch and Listen!

Red Bull Music Culture Clash 2018: mais uma vitória para a música nacional


O Red Bull Music Culture Clash encheu o Coliseu dos Recreios, em Lisboa, no passado dia 2 de março. Numa noite que celebrou, mais uma vez, a música portuguesa. As quatros crews atuaram em quatro palcos diferentes, sendo que, houve quatro rounds também. Capicua + Guerrilha Cor-de-Rosa, Paus + Pedras, Richie Campbell apresenta: Bridgetown e Rui Pregal da Cunha apresenta: Ultramar foram as equipas decididas para este ano.

Alex D'Alva Teixeira foi novamente um dos apresentadores do evento, e Carlão juntou-se a ele. Pelas 21h30, ambos deram início à batalha do ano.

A primeira crew que mostrou o que vale foi a Capicua + Guerrilha Cor-de-Rosa (formada por Capicua, M7, Eva Rap Diva, Blaya, Ana Bacalhau, Marta Ren e DJ D-One). Neste primeiro round, afirmaram que chegaram para arrasar e assim o fizeram com Dubplate de um tema icónico do Boss AC, "Hip Hop (Don't Stop)".

Em seguida, Paus, DJ Glue, Silk, Mike El Nite e Holly Hood fizeram os Paus + Pedras. Esta primeira atuação começou um bocado estranha porque não se percebia muito bem o que estava a acontecer, mas melhorou e entendeu-se a mistura entre rock, eletrónica e hip-hop.

Depois chega Richie Campbell apresenta: Bridgetown. Mishlawi, Dengaz, Plutónio, Ben Miranda, DJ Dadda, General Gogo juntaram-se ao cantor para o Coliseu ouvir ritmos reggae.

Rui Pregal da Cunha entrou sozinho em palco não para cantar, mas para fazer teatro. Aos poucos, alguns membros dos Capitão Fausto acompanharam-no neste momento bastante diferente no evento.

As crews apresentaram-se todas, e seguiu-se o segundo round onde ficaram prontas para destruírem umas às outras. Pois, Paus e Pedras trouxeram uma redenção inesquecível da música "It's a Man's Man's Man's World" de James Brown. Richie Campbell e Bridgetown trouxeram hip-hop além de reggae. Rui Pregal da Cunha foi buscar "Amor" dos Heróis do Mar. Capicua e Guerrilha Cor-de Rosa trouxeram a drag queen Rebecca Bunny. Com mais de 122 dBs, pelos gritos do público, foi a crew vencedora deste round.

No terceiro round, Richie Campbell e Bridgetown chamaram Luís Franco Bastos para fazer piadas sobre os outros concorrentes. Ainda houve Dubplates de Toy, Rui Veloso e Xutos e Pontapés. Rui Pregal da Cunha trouxe os Memória de Peixe e cantou "Paixão", outro tema dos Heróis do Mar. A Guerrilha Cor-de-Rosa trouxe bailarinas ao palco e Eva Rap Diva distribuiu todo o chá que tinha para mandar às outras três equipas. Já Paus + Pedras, invocaram os Da Weasel para um Dubplate com um recado para Ultramar. Os vencedores deste terceiro round foram Paus + Pedras com mais de 121 dBs.

No quarto e último round, os artistas deram tudo por tudo. Throes + The Shine, bailarinas clássicas e uma cantora lírica subiram ao palco para atuarem com Rui Pregal da Cunha. Capicua + Guerrilha Cor-de-Rosa voltou ao som de Skepta e chamou Camané para cantar António Variações. Para continuar bem, Bruno Nogueira veio lançar alguns versos. Paus + Pedras mostraram uma grande variedade de géneros musicais, novamente, e Scuru Fitchadu, Carla Moreira e Janelo juntaram-se a eles. Por sua vez, Richie Campbell convidou Gson de Wet Bed Gang e Maya Andrade para terminar em beleza.

Um evento que conseguiu cumprir o seu objetivo de elevar a música nacional com várias surpresas agradáveis que serão lembradas por bastante tempo. 

O público gritou o mais alto possível e quem venceu foram os Paus + Pedras com 120 dBs. Segundo o regulamento do Culture Clash, a organização assumiu um empate técnico. Em resumo, quem realmente ganhou foi a música portuguesa.

Red Bull Music Culture Clash 2018

0 comments:

Enviar um comentário