As descobertas do NOS Primavera Sound 2018 | Watch and Listen!

As descobertas do NOS Primavera Sound 2018


A próxima edição do NOS Primavera Sound está quase a regressar ao Parque da Cidade, no Porto. De 7 a 9 de junho, o festival irá trazer o melhor que se faz na música nacional e internacional. Há vários géneros e concertos para se escolher.
Como tal, aqueles nomes em letra mais pequena no cartaz passam despercebidos na maior parte das vezes. Assim, estas são algumas descobertas selecionadas no meio de tantos nomes. Artistas e bandas que se ainda não ouviram, então deviam adicionar às vossas playlists no Spotify. Estas escolhas são para todos os gostos. Desde quem gosta de abanar a anca ao som de eletrónica, passando pelos que  preferem músicas mais calmas, e até para aqueles que querem é ouvir riffs de guitarra. Venham à descoberta.


Bad Gyal
9 de junho, no Palco Pitchfork às 01h

Diretamente da Catalunha, Alba Farelo aka Bad Gyal irá trazer o sol do outro lado da Península Ibérica. Chamou a atenção quando lançou a sua versão da música "Work" da Rihanna. Depois, chegaram duas mixtapes, Slow Wine (2016) e Worldwide Angel (2018). A segunda até contou com a colaborações de El Guincho. Nestes dois trabalhos, os seus temas variam entre estilos musicais diversos, como, dancehall, trap e reggaeton. As letras vão do espanhol, ao catalão e até ao inglês com sotaque. De certeza que ninguém irá ficar parado a vê-la.


Denis Sulta
9 de junho, no Palco Primavera Bits às 01h15

Denis Sulta é o nome de palco de Hector Barbour. Um DJ nada típico de Glasgow. Na música house que faz, mistura montes de sons estranhos, como, sons de pássaros. O que torna a sua sonoridade inovadora da de outros DJs. Sulta Selects Vol.1 e L.A. Ruffgarden, com três músicas cada um, apareceram em 2015. Ao longo das seis canções, repara-se logo que Sulta tem um estilo diferente de fazer as coisas e não veio aqui para brincar com a mesa de mistura. O EP Nein Fortiate (2017) é uma extensão disso mesmo. Será um after imparável. 


Flat Worms
9 de junho, no Palco Seat às 19h15 

Em Los Angeles também surgem bandas de post-punk como os Flat Worms. Will Ivy (Dream Boys, Wet Illustrated, Bridez), Justin Sullivan (Kevin Morby, The Babies) e Tim Hellman (Thee Oh Sees, Ty Segall, Sic Alps) formam o trio rockeiro que irá abanar o Parque da Cidade. No ano passado, editaram o disco de estreia homónimo e com apenas dez temas causaram a destruição total, tal como, irá acontecer no seu espetáculo.


Foreign Poetry
7 de junho, no Palco Super Bock às 17h30 

Unidos pelo músico Benjamin, o austríaco Moritz Kerschbaumer e o britânico Danny Geffin são dois multi-instrumentistas que formam o duo Foreign Poetry. Na internet há poucas coisas sobre eles. Só há os dois singles "Sparks" e "MHL". O primeiro álbum que deverá sair em setembro, e estas duas músicas têm o selo da Pataca Discos, a editora portuguesa. Em março, deram o seu primeiro concerto de sempre. Uma banda mais recente que esta é impossível encontrar-se neste cartaz.


Jay Som
9 de junho, no Palco Pitchfork às 22h

Jay Som é o alter-ego de Melina Duterte que nasceu na Califórnia. Aos 12 anos, começou a escrever e a gravar música. Em novembro de 2015, meteu demos na sua página no Bandcamp. Depois, foram relançadas num trabalho apelidado Turn Into. No ano passado, editou o seu álbum de estreia, Everybody Works, o qual foi escrito, composto, gravado e produzido pela própria no seu quarto. A artista diz que o LP foi influenciado por Carly Rae Jepsen, The Pixies, Yo La Tengo e Tame Impala. O que se nota nas suas músicas lo-fi.


Kelsey Lu
9 de junho, no Palco Pitchfork às 20h45 

A Kelsey Lu nasceu na Carolina do Norte e mudou-se para Nova Iorque. Teve uma infância muito conservadora e religiosa por os pais serem testemunhas de Jeová. Então não é de admirar que o seu primeiro EP se chame "Church" e tenha sido gravado numa igreja, a  Holy Family Roman Catholic Church, em apenas um take. Ao mesmo tempo, foi co-produzido por Patrick Wimberly dos Chairlift, que também passaram pelo festival em 2016. Lu já trabalhou com Kelela a tocar violoncelo no seu novo disco e Blood Orange. Em abril, lançou o videoclip para o seu mais recente single "Shades of Blue" onde Vincent Haycock, que também trabalha com Florence + The Machine, foi o diretor.


Liminal Soundbath with Jónsi, Alex Somers and Paul Corley 
8 de junho, Palco Primavera Bits às 20h30

Este é um projeto criado pelo vocalista dos Sigur Rós Jónsi, Alex Somers e Paul Corley. Aqui o trio viaja pelas músicas dos Sigur Rós, pela natureza e elementos ambientais. Há alguns dias atrás, meteram no Spotify a "endless mixtape" repleta de temas dos Sigur Rós, de Somers e Corley curados pelos três. Ainda pretendem adicionar mais músicas. O espetáculo ao vivo contará com vários efeitos especiais, vozes e instrumentação. Será uma experiência audiovisual única.


Superorganism
8 de junho, no Palco Pitchfork às 22h20

Os Superorganism são a típica nova descoberta da internet: música criada por e feita para millennials. O nome da banda também podia ser Supereight porque é formada por oito pessoas. Orono Noguchi, Christopher Young (Harry), Mark David Turner (Emily), Timothy "Tim" Shann (Tucan), Blair Everson (Robert Strange), Ruby, B e Soul fazem temas Pop com sons estranhos. O que torna a sua sonoridade tão única. Quando colocaram o seu primeiro tema online, "Something For Your M.I.N.D.", chamaram a atenção de Frank Ocean e Ezra Koenig (Vampire Weekend), sendo que, houve pessoas a pensarem que isto era um projeto de Damon Albarn ou de Kevin Parker (Tame Impala). Eventualmente, as pessoas começaram-se a esquecer disso, e agora começam a construir o seu caminho musical.


Talaboman
9 de junho, no Palco Primavera Bits às 04h

O produtor espanhol John Talabot e o sueco Axel Boman formam o duo de eletrónica Talaboman, que é uma junção dos dois nomes. "Sideral" foi o primeiro tema que lançaram em conjunto, no ano de 2014. O álbum de estreia, The Night Land, só chegou em 2017. Demorou, mas pelo menos valeu a pena a espera. Este projeto é a combinação do que cada um dos artistas faz de melhor.


Yellow Days
7 de junho, no Palco Pitchfork às 19h

George van den Broek, cujo nome artístico é Yellow Days, editou o seu primeiro EP, Harmless Melodies, em 2016. Um ano depois, chegou o álbum de estreia, Is Everything Okay in Your World?, repleto de letras melancólicas e uma sonoridade que lhe valeu comparações a Ray Charles e King Krule. O seu tema "Gap In The Clouds" faz parte do teaser trailer da segunda temporada de Atlanta, criada e protagonizada por Donald Glover. Será o concerto ideal para o final da tarde a apanhar a sombra do Palco Pitchfork.  



Playlist:

0 comments:

Enviar um comentário