iridescence dos Brockhampton: a ressurreição da boy band americana | Watch and Listen!

iridescence dos Brockhampton: a ressurreição da boy band americana



Os Brockhampton lançaram o seu quarto álbum, iridescence, no dia 21 de setembro. O novo trabalho foi gravado nos estúdios Abbey Road, em Londres, em apenas dez dias. O primeiro com o selo da RCA Records e, supostamente, é a primeira parte da próxima trilogia do grupo “The Best Years of Our Lives”. Em iridescence, a boy band mostra porque é que continua a ser a mais inovadora. 

Após o fim da era Saturation, um novo disco era bastante aguardado. Team Effort viria a seguir, mas foi adiado. Depois, Puppy seria lançado em junho, mas também foi adiado devido às acusações de abusos sexuais e emocionais por ex-namoradas de Ameer Vann. O que levou à sua saída da banda. Desta forma, iridescence foi feito do zero em Londres. 

Em iridescence, os versos nas músicas são divididos mais justamente. Na trilogia Saturation, muitas vezes ouvia-se mais Ameer Vann do que os restantes membros e bearface era um dos que participava menos, visto que, “WASTE”, “SUMMER” e “TEAM” foram os temas que na era Saturation teve mais destaque. Em iridescence, isso mudou para melhor. Pois, todos têm a sua parte e direito à sua perspetiva nos novos temas. Até se ouve Ashlan Grey, o fotógrafo, Jabari Manwa e Romil Hemnani, os produtores, no final de “FABRIC”. Além de ser o momento de brilho de bearface, também é o de Joba. Os seus versos agressivos em “J’OUVERT”, “WEIGHT” e “DISTRICT” são essenciais para as canções terem mais poder. O flow natural de Dom McLennon, a inquietude de Merlyn Wood, a a honestidade de Matt Champion e o sentimentalismo de Kevin Abstract são o que fazem um progresso musicalmente para o grupo. Isto também originou colaborações com Jaden Smith (“NEW ORLEANS”), serpentwithfeet (“TONYA”) e um sample de “Dance For You” de Beyoncé (“HONEY”). 


Quanto às letras, abordam vários temas atuais, tais como, depressão, fama, morte, amor, dinheiro, drogas. Temas que foram expressos anteriormente na era SATURATION, mas que aqui surgem mais fortes. Na segunda música, “THUG LIFE”, Dom McLennon é o primeiro a falar sobre depressão no seu verso («Depression still an uninvited guest, I'm always accepting»). A seguir, Joba em “DISTRICT” berra «Praise God, hallelujah! I'm still depressed/ At war with my conscience, paranoid, can't find that shit». Fama e dinheiro são outros assuntos recorrentes quando em “NEW ORLEANS” Kevin Abstract diz repetidamente «Tell 'em boys, don't run from us/ I been down too long, cousin/ I been down too long, brother/ Tell the world, I ain't scared of nothing/ Tell the world, I ain't scared of jumping» e a parte de Matt Champion em “DISTRICT” «Money walk and money talk, but money no make comfortable». Em “HONEY”, Dom McLennon fala sobre problemas raciais e morte: «'Cause they turn the other cheek when our niggas start to die/ When our women start to die, when our children start to die». Ao mesmo tempo, as drogas voltam a ser faladas neste álbum no verso de Joba em “J’OUVERT” («Couldn't last a day inside my head/ That's why I did the drugs I did») e no de Champion em “SAN MARCOS” «Big old whiskey on them icy rocks/ Flood down some veins like oxy does». Abstract também mostra o seu lado mais sentimental em “SOMETHING ABOUT HIM” que é uma dedicatória ao seu namorado Jaden Walker e “WEIGHT” onde canta sobre a sua sexualidade e as saudades que tem da sua vida antes do estrelato. Assim, os tópicos das canções ao logo do álbum são quase todos identificáveis para quem os ouve.

 
Já as melodias são, igualmente, diferentes do que fizeram antes. Os finais e princípios das músicas funcionam como transições para a seguinte. O que torna a experiência auditiva ainda melhor e o disco mais coeso, como, de “NEW ORLEANS” para “THUG LIFE” e de “J’OUVERT” para “HONEY”. Nota-se que deram atenção a este pormenor. Outra coisa que introduziram foi uma orquestra. As canções soam mais bonitas com instrumentos clássicos e com um coro a cantar. A parte do London Community Gospel Choir  em “SAN MARCOS” é um dos momentos mais emocional do álbum e em “THUG LIFE” juntamente com a voz de bearface é um dos mais surpreendentes. 


iridescence é mesmo a ressurreição dos Brockhampton onde se reinventam, conseguem construir o seu próprio som e estão de volta à vida de boy band. Depois de tudo o que se passou e terem ficado sem um membro, concretizaram mais outra vitória e apenas se pode esperar pelos próximos dois álbuns desta suposta trilogia.



Texto: Iris Cabaça

1 comentário:

  1. Really impressive post. I read it whole and going to share it with my social circules. I enjoyed your article and planning to rewrite it on my own blog.
    Packers And Movers in Chennai

    ResponderEliminar