Festival Iminente 2018: o melhor foi não ficar em casa | Watch and Listen!

Festival Iminente 2018: o melhor foi não ficar em casa


O Festival Iminente voltou para fazer as delícias do seu público. Este ano, mudou-se de Oeiras para o Panorâmico de Monsanto. Nos dias 21, 22 e 23 de setembro trouxe alguns dos melhores nomes da música nacional e internacional, e a vista mais bonita da cidade. 

vinte+um: panoramicamente na pista

Conan Osiris @ Festival Iminente 2018

A começar o festival da melhor forma, esteve Conan Osiris, o músico que nos últimos meses passou da troposfera para estratosfera dos festivais nacionais. O concerto foi às cinco da tarde, um pouco cedo para a dança que as suas músicas puxam, mas mesmo assim fez-se a festa. Ao mesmo tempo, o recinto encheu para ouvir a diversidade musical de Osiris. Atuou para um público que sabia as letras de cor e dançava ao som dos ritmos ecléticos. O artista falou sobre o mural de Marielle Franco, uma ativista que foi assassinada no Brasil, criado por Vhils, e também sobre o vídeo que alguém editou com o tema Celulitite, fundindo-o com um da Ana Malhoa. O músico está cada vez mais à vontade em palco, o sítio onde pertence, e isso tem sido visível ao longo dos seus espetáculos. Claro que não faltou João Reis Moreira, o seu bailarino habitual, com as suas coreografias contagiantes. Missingnu, Titanique e o hino Adoro Bolos foram alguns dos temas que mais marcaram este concerto. Provou-se novamente que a sua música atrai cada vez mais pessoas. 

Cumbadélica @ Festival Iminente 2018

No Palco Cave, encontrava-se Cumbadélica, a dupla de DJs formada por Igor Ribeiro (aka Ghetthoven) e Marie Lopes. O DJ set levou o público a viajar ao som de ritmos latinos e africanos. De repente, estava-se em Cuba e, segundos depois, em Angola, o que serviu para elevar ainda mais as temperaturas neste dia quente.

Bonga @ Festival Iminente 2018

Bonga conquista multidões com a sua performance animada. Numa interação constante com os seus fãs, soltando uma piada aqui e ali, poucas são as pessoas que não sabem cantarolar as músicas do artista angolano, não fossem clássicos de noites de diversão. Quer seja com Mariquinha ou com Olhos Molhados (Tenho Uma Lágrima), Bonga transforma a plateia e coloca-a numa pista de dança que transcende fronteiras.


Bateu Matou @ Festival Iminente 2018

Bateu Matou é um trio formado por três bateristas: Riot (Buraka Som Sistema), Quim Albergaria (PAUS) e Ivo Costa (Batida, Sara Tavares). O espetáculo foi semelhante a um DJ set, com algumas músicas conhecidas a passar enquanto tocavam bateria por cima. Foi uma homenagem à música de dança.

Papillon @ Festival Iminente 2018

A grande enchente do Palco Cave neste dia foi causada por Papillon, onde até se formou uma fila para se entrar. O rapper trouxe na bagagem o seu disco de estreia Deepak Looper, que o público sabia as letras todas de cor. Ainda trouxe Slow J ao palco, no seu dia de anos, levando as pessoas à loucura. 

Shaka Lion @ Festival Iminente 2018

Shaka Lion, o rapaz que saltou da Margem Sul para a cave de Monsanto, fez estremecer o Palco Cave com uma miscelânea de ritmos, que constroem uma sonoridade única, assente no funk, no hip hop, na electrónica, nos ritmos afro do samba, batida e bossa nova. 

vinte+dois: panoramicamente hip hop




Keso @ Festival Iminente 2018

Diretamente do Porto, veio Keso para atuar no palco principal. O músico confessou-se nervoso no princípio por ver muitas pessoas, mas sem razões para tal. Na bagagem, trouxe o seu último álbum KSX 2016, que foi editado há dois anos. As letras do músico ressoaram bem com o público do Iminente e, quase no final, não queria sair do palco.

Valete @ Festival Iminente 2018

Valete é um dos grandes nomes do hip hop português. Fora do rap burguês. O público do Iminente surgiu em peso no Palco Outdoor para acompanhar o concerto deste gigante da velha guarda e não se desiludiu. Com uma postura inabalável, quase de titã, Valete homenageou Marielle Franco, recordando-a como um símbolo de luta e força. O público teve oportunidade de ouvir temas mais recentes como Rap Consciente e Samuel Mira, o fora de álbuns Johnnie Walker e os clássicos Roleta Russa e Fim da Ditadura, sempre com as letras a escaparem dos lábios. Os verdadeiros ficaram recordados numa árvore genealógica das escolas de hip hop português, numa junção entre a visão e a inspiração: Capicua, Dealema, Da Weasel, Mind da Gap, NERVE, Plutónio, Sam The Kid, Slow J e Xeg. Estivémos no festival certo, representámos a música alternativa em Portugal, representámos o hip hop original.

DJ Maseo (De La Soul) @ Festival Iminente 2018

DJ Maseo, um terço do trio americano De La Soul (composto por Posdnuos, Trugoy e Maseo), veio internacionalizar o Panorâmico de Monsanto. Uma celebração à vida longínqua da hip hop culture, o concerto do DJ americano foi uma trip on memory lane, recordando grandes nomes do hip hop internacional e relembrando que o hip hop é um estilo que celebra a vida e aquilo que ela oferece.

vinte+três: panoramicamente português




Marta Ren & The Groovelvets @ Festival Iminente 2018

Às 16h30 no Palco Outdoor, foi a vez de Marta Ren & The Groovelvets chegarem ao festival. A artista do Porto começou logo em grande a misturar funk e soul com uma energia contagiável. Ao mesmo tempo, a sua voz sensual encantou todos. Em palco, tem uma presença forte, dança, mete-se com os músicos e com o público, ou seja, faz a festa. Também meteu o público a dançar e a saltar ao som dos seus temas. O concerto foi sempre a abrir com músicas bem animadas. Contudo, houve um tempo mais calmo quando Marta Ren cantou Smiling Faces, sentada no palco. Foi um espetáculo brilhante onde foi impossível ficar parado(a).

Carlão @ Festival Iminente 2018

Em seguida, veio um dos maiores nomes da música nacional: Carlão. O artista veio apresentar o seu novo álbum Entretenimento?, que foi editado em setembro passado. O seu companheiro, Bruno Ribeiro, esteve sempre ao seu lado, como é habitual. Agulha No Palheiro e Viver Pra Sempre foram algumas das músicas onde mais se ouviu o público a cantar. Infelizmente, não houve nenhum convidado especial, como Manel Cruz, Slow J ou António Zambujo, mas foi compreensível porque era o momento de Carlão brilhar, e assim fez. Desde o primeiro segundo até ao último, o artista esteve sempre imparável, a andar de um lado para o outro e a espalhar o que sabe fazer. O final foi com o remix do tema Dialectos da Ternura, feito pelos Buraka Som Sistema.

Sara Tavares @ Festival Iminente 2018

Sara Tavares poderia muito bem ser a personificação dos sorrisos e da boa disposição. A cantora trouxe ao Iminente os novos temas do álbum Fitxadu (2017) e não deixou ninguém indiferente à energia positiva que emana durante os seus espectáculos. Do alinhamento fizeram parte Brincar de Casamento (uma colaboração com Toty Sa'Med e que pediu Marta Ren emprestada, para um dos momentos de maior cumplicidade no festival), Ginga, Coisas Bunitas e Bom Feeling. Foi um dos concertos mais longos do festival, dando asas para mostrar a força de Cabo Verde.

Gisela João @ Festival Iminente 2018

Gisela João trouxe a alma do Norte ao Panorâmico de Monsanto e deixou-nos em família. Sentada numa poltrona, com um G gigante em rosas pelas costas, a cantora mostrou sempre uma postura comunicativa, atenta à plateia, que se deliciou com as suas histórias sobre o fado e o poder do fado. Com a sua voz de intensidade arrepiante, Gisela emocionou-se com pequeninos da plateia e agitou e emocionou quem estava do outro lado, com músicas como As Rosas Não Falam, Sr. Extraterreste, Malhão e Vira ou A Casa da Mariquinha. Não faltou a presença de Samuel Úria, com Lenço Enxuto, que nos deu a oportunidade de ouvir a voz de Gisela João num registo menos fado e mais indie.

0 comments:

Enviar um comentário