Vodafone Paredes de Coura 2019: o acalmar das águas | Watch and Listen!

Vodafone Paredes de Coura 2019: o acalmar das águas


No dia 16 de agosto, o Vodafone Paredes de Coura acordou para um dia mais calmo, mas não por isso menos bonito. Começou mais cedo no Palco Jazz na Relva com os The Rite of Trio. O trio portuense veio mostrar o seu jazz experimental conquistando um público que, provavelmente, não conhecia.

The Rite of Trio @ Vodafone Paredes de Coura 2019

A seguir, foi a vez da Vodafone Music Session com os Capitão Fausto. Aconteceu em Formariz, no mesmo sítio que deu origem ao tema "Célebre Batalha de Formariz". Ao contrário do concerto da noite anterior, este foi mais calmo e intimista, algo que o grupo já não faz há algum tempo, e ouviu-se versões diferentes das suas músicas. Foi bom ver a banda neste momento.

Vodafone Music Session com Capitão Fausto @ Vodafone Paredes de Coura 2019

Vindos do outro lado da Península Ibérica, chegaram os Derby Motoreta's Burrito Kachimba. Trouxeram o seu rock espanhol influenciado pelo psicadelismo dos anos 70 e 80. Não trouxeram nenhuma novidade, mas souberam animar os grupos de espanhóis que os vieram ver e alguns portugueses.

Derby Motoreta's Burrito Kachimba @ Vodafone Paredes de Coura 2019


Nomes portugueses abriram o palco principal ao longo de todo o festival: neste dia foi a vez de First Breath After Coma. Os leirienses já conhecem os cantos à casa e trouxeram o terceiro álbum de estúdio, “NU”, para uma viagem pelo pós-rock tímido que têm vindo a explorar.

Não vieram sozinhos: David Santos, autor do projeto Noiserv, juntou-se a eles para o final, com o seu tema “Don’t Say Hi If You Don’t Have Time For A Nice Goodbye” (que por momentos nos leva de volta a Bon Iver).

First Breath After Coma @ Vodafone Paredes de Coura 2019

Um concerto no cair da tarde, uma plateia composta por já criados fãs da banda que se tem vindo a redescobrir e mais um bom início para Coura. Seguiu-se-lhes Jonathan Wilson, ainda o palco Vodafone.FM se preparava para Black Midi. A banda de rock experimental estreou-se em Portugal e veio direta da cena underground londrina, não por isso encontrando uma plateia fraca.

Fãs atentos, inquietos e entusiasmados ocupavam a parte central da tenda do palco secundário, mas cedo a eles se juntaram todo o tipo de curiosos. O som irreverente e a abordagem experimental do pós-punk deu nas vistas, e assim se encheu mais um concerto.

Black Midi @ Vodafone Paredes de Coura 2019


Foi com Deerhunter que a noite começou a aquecer, ao som da voz de Bradford Cox. Ao início, uma conversa sobre música portuguesa. “Tenho ouvido muita”, conta ao público, “Já ouviram falar de Nuno Canavarro? Dos Street Kids?”. No ativo desde 2001, os Deerhunter lançaram o seu primeiro álbum de estúdio, “Turn It Up Faggot”, em 2005. A faceta melancólica não se escondeu no último álbum, “Why Hasn’t Everything Already Disappeared”, e também não o fez neste concerto.

Deerhunter @ Vodafone Paredes de Coura 2019

De volta ao Palco Vodafone.FM, encontrava-se o neozelandês Connan Mockasin. Entrou calmamente em palco, levou o seu tempo a afinar a guitarra, ao som de "Charlotte's Thong" e sem dizer uma palavra levou o público ao delírio. O que se seguiu foi um concerto sereno com a sua banda a apoiá-lo e a dar-lhe ainda mais força. "Faking Jazz Together", "Forever Dolphin Love" e "Why Are You Crying?" fizeram as delícias dos fãs mais devotos.

Connan Mockasin @ Vodafone Paredes de Coura 2019


Os dos últimos nomes da noite foram os que juntaram o maior número de pessoas. Spiritualized, repleto de músicos e back vocals, entregou um espetáculo a não perder. Apesar de não ter falado diretamente para o público, toda a conversa foi feita de música em música, de emoção em emoção. Disse tudo o que tinha para dizer, com um reportório completo e um palco cheio.

Spiritualized @ Vodafone Paredes de Coura 2019


O último nome da noite e cabeça de cartaz regressou a Paredes de Coura quatro anos depois do último encontro. Father John Misty subiu ao palco com a confiança de sempre, a complexidade de sempre, a arrogância de sempre. Não é por acaso que, apesar de tudo o que se mantém, nenhum dos seus concertos é igual. Com uma setlist diferente do normal, talvez para fugir às já conhecidas da tour de “God’s Favorite Customer”, Josh Tillman marcou o reencontro com o festival com um concerto cheio de si mesmo mas cantado com outros temas.

Passou pelas habituais “Nancy From Now On”, “Chateau Lobby”, “Holy Shit” ou “Real Love”, sem esquecer os temas do álbum mais recente e até “I Love You Honeybear”, mas deixou de fora muitas outras que o público gosta de ouvir. Portugal Já conhece Father John Misty, e Father John Misty já conhece Portugal. O que há de mágico em cada encontro é descobrir tudo o que falta para conhecer, a relação que não se esgota e ouvir, tão de perto, a magia de um artista tão complexo.

Father John Misty @ Vodafone Paredes de Coura 2019


Fechado o palco principal, a festa continuou no palco secundário, como é habitual. Num dia mais calmo, menos movimentado e certamente mais parado, a mesma energia de sempre voltou a encontrar-se ao som de Peaking Lights e Romare.

Texto: Carolina Alves
Fotos: Iris Cabaça

0 comments:

Enviar um comentário