25 de Abril em casa


A celebração do 25 de Abril deste ano será passada na casa de cada pessoa, infelizmente. Como não se pode sair à rua, há outras formas de se comemorar com músicas e filmes.

Neste dia, em 1974, travava-se uma revolução que derrubou o Estado Novo, um regime fascista governado por António Salazar. A Revolução dos Cravos foi liderada pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) e veio implantar a democracia no país. Aconteceu há 46 anos, mas continua a ser importante recordar este momento histórico. A música teve um papel marcante, tendo dado início ao que se seguiu.

Se não sabem ainda o que fazer e como relembrar este dia, aqui ficam algumas sugestões.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.
E se tudo o mundo é composto de mudança,
Troquemo-lhes as voltas que ainda o dia é uma criança
José Mário Branco, 1971


Músicas

E Depois do Adeus - Paulo de Carvalho
A primeira senha que deu início à revolução foi "E Depois do Adeus" de Paulo de Carvalho, vencedora do 12º Festival da Canção. Fez-se ouvir na Rádio Renascença e foi a música escolhida por não conter uma letra política para não dar nas vistas.


Grândola, Vila Morena - Zeca Afonso 
A segunda senha foi "Grândola, Vila Morena" de Zeca Afonso que confirmou o começo da revolução. Assim, tornou-se um símbolo da mesma e da democracia em Portugal.


Pedra Filosofal - Manuel Freire 
O poema de António Gedeão levou Manuel Freire a cantá-lo em 1970. "Eles não sabem nem sonham" é dirigida ao regime e fala sobre o povo triste e pobre durante a ditadura.


Liberdade - Sérgio Godinho 
Sérgio Godinho canta "Paz, pão, habitação, saúde, educação" e fala sobre quando o cantor regressou a Portugal, após nove anos afastado, e encontrou um "Portugal novo".


FMI - José Mário Branco
José Mário Branco faleceu em novembro de 2019, por isso, devemos pensar e ouvir o que nos deixou. Escrita em 1979, faz críticas ao Fundo Monetário Internacional. Em mais de 20 minutos, é um mensageiro que diz tudo sem contradições.



Como não se pode presenciar concertos, a Câmara Municipal de Lisboa vai trazer até casa, via livestream, um concerto de Branko e Dino D'Santiago na Avenida da Liberdade. Será transmitido no canal de Youtube de Branko a partir das 14h30.



Filmes  

A cinemateca disponibilizou filmes e documentos sobre o 25 de abril de forma gratuita que podem ser vistos no site. A RTP 1, e RTP Play, também vai ter uma programação especial com alguns filmes.

Realizado por Maria de Medeiros, onde a mesma interpreta Antónia, é uma reconstituição história do golpe de Estado. Ao mesmo tempo, é uma homenagem aos soldados que participaram, incluindo Salgueiro de Maia. Às 16h30 na RTP 1.


Começou por ser uma mini-série da SIC, e mais tarde foi adaptada para o cinema por Joaquim Leitão. Aborda a vida dos militantes do PCP na II Guerra Mundial. Gonçalo Waddington, Cândido Ferreira, Leonor Seixas, Paulo Pires, Marco D'Almeida, Nuno Nunes, Ivo Ferreira, Adriano Luz e Sara Graça formam parte do elenco.


O documentário produzido e realizado pelo coletivo Grupo Zero fala sobre o processo da Reforma Agrária no Alentejo. Os trabalhadores querem emprego e salários justos, por isso, organizam-se em sindicatos.


A gala apresentada por Sílvia Alberto e Júlio Isidro foi concretizada no Coliseu dos Recreios, Lisboa, no ano passado. Serviu como uma homenagem aos fotógrafos que registaram as fotos da revolução. Sem esquecer alguns músicos (Zeca Afonso), poetas (António Gedeão, Manuel da Fonseca e Manuel Alegre), a editora discográfica Orfeu e Moçambique, onde Selma Uamusse, Lura, Bonga e Micas Cabral cantaram temas solidários sobre o país.


O documentário realizado e produzido pelo Colectivo de Trabalhadores da Actividade Cinematográfica aborda o período entre o 25 de abril e o 1º de maio. Contém testemunhos sobre a revolução.


Comentários