#Throwback: Coexist dos The xx

Os The xx lançaram o seu segundo álbum, Coexist, a 5 de setembro de 2013. Após um álbum de estreia que ganhou um Mercury Prize, era altura de uma nova aventura.

Sete anos depois, continua a ser o disco mais minimalista da banda inglesa. Com um primeiro trabalho surpreendente, editado em 2009, aclamado pela crítica, não se sabia o que esperar. Porém, o melhor ainda estava para vir com I See You (2017).

Coexist tem o cunho pessoal dos The xx que foi apresentado em xx, mas com um lado mais sombrio, amargurado e sensual. Foi o primeiro LP da banda que estreou no número um na tabela de álbuns do Reino Unido, e, inclusive, em Portugal. Mais tarde, decidiram realizar o festival Night + Day no Jardim da Torre de Belém, em 2013, que foi apenas feito em mais duas cidades: Berlim e Londres.

Apesar de ser o seu álbum mais simples, ao mesmo tempo, é o que contém temas mais tristes e melancólicos. Romy Madley Croft e Oliver Sim usam o seu tom de voz em notas mais baixas enquanto têm conversas um com o outro nas suas músicas como se estivessem ambos sozinhos a falarem numa sala, como em "Chained". Ou a cantarem em uníssono, por exemplo, em "Try” e "Tides". O que é fascinante de se presenciar. Já Jamie XX produz as canções e adiciona alguns elementos mais eletrónicos. Um trio brilhante que trabalha bem, daí terem três álbuns sem nenhuma recaída. 

As letras abordam assuntos sobre solidão, relações amorosas e o fim das mesmas. Exceto "Our Song" que fala sobre a amizade de Romy e Oliver. Sem usarem qualquer pronome na terceira pessoa do singular, de modo a que várias pessoas se relacionem com o que escrevem, também foram mais diretos ao assunto e pessoais do que no álbum anterior. 

As melodias começam por dar pequenos passos de bebé até se transformarem em adultas e explodirem, fazendo elevar a expectativa. O que chega a ser hipnotizante, e prende quem as oiça desde o primeiro segundo até ao último. Tal acontece em "Fiction", "Reunion" e "Missing". Sendo acompanhadas pelo crescendo das vozes dos dois vocalistas.

Considerando os três discos dos The xx, Coexist não é o mais impressionante de todos nem o mais apelativo, mas é um clássico do grupo com bons momentos e que abriu caminho para o terceiro LP.

Comentários