Watch and Listen!

O NOS Primavera Sound acabou de anunciar os nomes que se juntam à edição nacional. Nos dias 6, 7 e 8 de junho, o festival regressa ao Parque da Cidade, no Porto. Solange, J Balvin, Rosalía, James Blake e Yaeji são alguns dos nomes que fazem parte do cartaz.

Além do alinhamento completo, a programação por dias também já é conhecida. Quanto aos nomes portugueses, Mai Kino, Surma, Dino D'Santiago, Allen Halloween, Profjam, Lena D'Água e Primeira Dama, Jackie e Violet

Cartaz completo: 

Os bilhetes e passes gerais encontram-se à venda nos locais habituais. O passe geral tem o preço promocional de 103€, e o bilhete diário de 56€.


O Super Bock Super Bock regressa ao Meco para a sua 25ª edição, e os Disclosure também, no dia 20 de julho. O festival realiza-se nos dias 18, 19 e 20 de julho e já conta com algumas confirmações, como, Lana Del Rey, Metronomy e Kaytranada.

Os irmãos Howard e Guy Lawrence voltam ao Super Bock Super Rock, após terem passado pelo festival em 2014 e 2016, para um DJ set no Palco Super Bock. O álbum de estreia Settle (2013) e Latch com Sam Smith, meteram o duo nas bocas de todo o mundo e festivais. O sucessor Caracal (2015), seguiu o mesmo caminho. Em 2018, a dupla de house lançou alguns temas novos, tais como, Ultimatum e Moonlight, e encontram-se a preparar o terceiro álbum.

O primeiro lote de bilhetes já esgotou, e os preços do segundo lote são os seguintes: o passe de 3 dias custa 110€, e o bilhete diário tem o custo de 58€. O Fã Pack FNAC ainda se encontra à venda por 95€. Os bilhetes e passes encontram-se à venda nos locais habituais.

Nomes confirmados até ao momento:

18 de julho
Palco Super Bock - Lana Del Rey, The 1975
Palco EDP - Metronomy

19 de julho
Palco EDP - Kaytranada, FKJ

20 de julho
Palco Super Bock - Disclosure (DJ set)
Palco EDP - Superorganism



A artista espanhola Rosalía anunciou a sua presença no NOS Primavera Sound, através de um evento no Facebook. Depois de confirmada no Primavera Sound Barcelona 2019, passará pela cidade do Porto entre 6 e 8 de junho.


A cara do novo flamenco apresenta El Mal Querer (2018), o seu segundo álbum de estúdio, que a catapultou para os tops internacionais da música. É uma conjugação inovadora do flamenco espanhol, com o R&B e a electrónica, que surpreendeu o mundo pela impactante temática, contada através de um universo visual e sonoro único. 


Estreou-se em Portugal a 22 de setembro de 2017 no Theatro Circo, em Braga, com o álbum Los Ángeles (2017). 

O cartaz oficial ainda não foi divulgado; no entanto, vários artistas já confirmaram a sua presença através das redes sociais: Guided By VoicesMODESELEKTOR e Shellac.

Tem um álbum chamado Adoro Bolos, que continua nas bocas do mundo um ano depois do lançamento (30 de dezembro de 2017), mas não gosta assim tanto de sobremesas. Não existe Conan Osiris sem falar de Tiago Miranda, o rapaz que criou uma das discografias mais intrigantes da música portuguesa. Não deixou ninguém indiferente. Invadiu palcos nacionais e dividiu opiniões. Desde a ZDB ao Super Bock em Stock, agitando o Brasil pelo meio, é impossível separar Conan Osiris das listas de favoritos de 2018. A sua irreverência atrai até americanos que passeiam pelo Alto do Parque e deixam cartões de visita para conseguirem chegar mais longe nos álbuns, depois de uma Barcos acapella. 

Falámos sobre palcos, inspirações e influências astrológicas. 



A internet tem muito a dizer sobre ele, mas quisemos conhecer o outro lado. O que tem Conan Osiris para dizer à internet? 




Entrevista Conan Osiris



Tal como aconteceu com os álbuns nacionais, internacionalmente também se fez trabalhos distintos. Houve surpresas inesperadas, provas dos nove, revelações inesperadas e muita festa. 

Estes são os discos e EPs do ano do Watch and Listen, sem qualquer ordem preferencial.



Blood Orange – Negro Swan


Arctic Monkeys – Tranquility Base Hotel & Casino


The 1975 - A Brief Inquiry Into Online Relationships

Ariana Grande - Sweetener


Rosalía - El Mal Querer


Brockhampton - Iridescence 


Kali Uchis – Isolation


Jorja Smith – Lost & Found


Approachable Members Of Your Local Community - If there's anything you need, please don't hesitate to contact us (EP)


Clairo – Diary 001 (EP)


Panic! At the Disco – Pray for the Wicked


Lily Allen – No Shame


The Vaccines – Combat Sports


Troye Sivan – Bloom


Tobi Sunmola – Good Guys Don’t Survive (EP)


Em 2018, foram muitos os discos nacionais que saíram. E, talvez, há algum tempo que não havia um ano com tantos trabalhos diferentes a representarem vários géneros nacionais. Criaram-se maus (bons) êxitos, falou em entretenimento e adoração por bolos, fizeram-se férias em família e uma viagem pelo Santa Rita lifestyle. 

Portanto, aqui ficam os álbuns que melhor representam a música nacional este ano do Watch and Listen, sem nenhuma ordem de preferência. 

Carlão - Entretenimento?


Em Entretenimento?, Carlão apresenta uma sonoridade mais próxima do que fazia em Da Weasel. É acompanhado por Bruno Ribeiro na voz em várias músicas, e conta com colaborações improváveis, como, Cerejas, Só Isso com Manel Cruz e Bebe um Copo com António Zambujo. E ainda foi buscar Slow J, um grande seguidor que foi inspirado pelo artista, para Repetido.

Best Youth - Cherry Domino


Catarina Salinas e Ed Rocha Gonçalves voltam a trazer a sua indie pop sensual no sucessor de Highway Moon. Para este álbum, voaram até New York para gravarem Nightfalls com Patrick Wimberly (ex-Chairlift) que já produziu canções para Solange, Blood Orange e o álbum Little Dark Age dos MGMT. Assim, só se podia esperar o melhor dos Best Youth e foi o que aconteceu.

D'alva - Maus Êxitos


Os reis da pop nacional finalmente regressaram quatros anos depois de editarem o primeiro longa-duração. Com refrões catchy e uma fusão entre pop e rock, os D'alva conseguiram inovar, outra vez, e fizeram um disco forte. Na verdade, mais ninguém faz pop da mesma maneira que a banda, e Maus Êxitos veio provar isso mesmo.

Selma Uamusse - Mati


Selma Uamusse fez parte de um coro gospel, dos Wraygunn com Paulo Furtado e trabalhou com Rodrigo Leão. No passado mês de setembro, o seu primeiro longa-duração saiu cá para fora. Com 9 temas, a artista viaja pelas suas raízes moçambicanas enquanto descobre a sua voz.

Conan Osiris - Adoro Bolos


O terceiro disco de Conan Osiris, Adoro Bolos, foi, talvez, o mais inesperado deste ano. Tecnicamente saiu a 30 de dezembro de 2017, mas a realidade é que só foi ouvido este ano. Um álbum criado, escrito, produzido, gravado e masterizado pelo próprio sozinho resultou na melhor surpresa para a música nacional. E há de quase tudo, como, fado, kuduro, funaná, eletrónica, música oriental e muito mais.

Salto - Férias em Família


Os Salto fizeram as suas férias em família e cresceram bastante desde o seu primeiro disco, que foi lançado em 2012. Pode parecer o seu trabalho mais calmo, mas também é o mais completo do grupo do Porto. Cada membro mostra os seus melhores atributos e, com isso, conseguiram criar temas realmente bonitos.

Papillon - Deepak Looper


Papillon, membro dos Grognation, aventurou-se no seu primeiro álbum a solo com músicas produzidas por Slow J, Lhast, Holly, FMX e FreshBeats. Ao longo de 13 músicas, leva-nos a viajar pela sua narrativa enquanto faz uma fusão de vários géneros musicais.

Fugly - Millennial Shit


Com Millennial Shit, o primeiro álbum, os Fugly apresentam temas rápidos num punk rock moderno que apela a todos os millennials. Dentro deste género, são o grupo nacional mais interessante. Daí terem dado tantos concertos este ano. 

Isaura - Human


O primeiro disco de Isaura demorou um bocado a chegar, mas finalmente saiu este ano. Após vários singles, um EP em 2015 (Serendipity) e ter passado pela Eurovisão com Cláudia Pascoal, foi a vez de lançar um longa-duração. Human é o que se esperava: electro-pop com a voz tranquilizante e doce de Isaura.

Filipe Sambado & Os Acompanhantes de Luxo 



No seu segundo trabalho, Filipe Sambado, ao lado dos seus Acompanhantes de Luxo, traz uma pop mais clássica. Quando canta coisas como "Deixem-me lá não ser gay/ Eu sou só muito vaidosa""Beijinhos pra quem fica/ Beijinhos pra quem vai" são frases catchy que mostram a sua personalidade irreverente e o disco é todo assim.

Sequin - Born Backwards


Em 2014, Ana Miró editou o seu primeiro álbum Penelope. Dois anos depois, seguiu-se o EP Eden e este ano foi a vez do segundo disco Born Backwards ter saído. Aqui, a cantora explora uma electro-pop mais obscura juntando a sua voz angelical. 

David Fonseca - Radio Gemini


Este ano também marcou o regresso de David Fonseca. Após ter feito um álbum em português, Futuro Eu (2015), e um dedicado a David Bowie, Bowie 70 (2017), Radio Gemini celebra os seus 20 anos de carreira. O músico voltou a escrever temas em inglês e fez-nos descobrir a voz da espanhola Alice Wonder.

Monday - One


Monday é o projeto a solo de Catarina Falcão (das Golden Slumbers), e editou o seu disco de estreia em fevereiro. Numa folk um pouco dark e com refrões pop, Monday fala sobre amores, desamores e gatos. 

Conjunto Corona - Santa Rita Lifestyle

No seu 4º trabalho, os Cojunto Corona mostram o seu Santa Rita Lifestyle num registo mais coeso do que os anteriores, mas com a pitada de palhaçada habitual. Eu Não Bebo Coca Cola Eu Snifo, Funk & Dopamina e Splash Bang Boom são alguns dos temas que representam melhor essa característica do grupo.

Lince - Hold To Gold


Depois de lançar o EP Drops no ano passado, Lince chega com o seu álbum de estreia Hold To Gold. Durante 11 músicas, viaja por uma electro-pop melancólica com uma voz hipnotizante. Um disco viciante que nos prende pela sua beleza. 


Os Parcels são a mais recente confirmação do Vodafone Paredes de Coura. A banda australiana atua a 14 de agosto, no primeiro dia do festival. O festival está de volta de 14 a 17 de agosto na Praia Fluvial do Taboão. 

O grupo formado por Louie Swain, Patrick Hetherington, Noah Hill, Anatole Serret e Jules Crommelin regressa a Portugal, após ter passado pelo Super Bock Super Rock deste ano. Com um álbum de estreia editado no passado mês de outubro e um single, Overnight, que contou com a colaboração dos Daft Punk, os Parcels prometem trazer groove a Paredes de Coura.

Desta forma, o quinteto junta-se aos nomes anteriormente confirmados: The National, Boy Pablo, Acid Arab, Kamaal Williams, Father John Misty, New Order, Mitski e Spiritualized

Os passes gerais já podem ser adquiridos nos locais habituais pelo preço de 90€. O Fã Pack FNAC, que traz o passe e uma t-shirt exclusiva, também se encontra à venda, pelo mesmo preço, nas lojas FNAC. 

Foto: Iris Cabaça